quinta-feira, 30 de junho de 2016

William Shakespeare



William Shakespeare é considerado o mais importante dramaturgo e escritor de todos os tempos. Seus textos literários são verdadeiras obras de arte e permaneceram vivas até os dias de hoje, onde são retratadas frequentemente pelo teatro, televisão, cinema e literatura. Deixou cerca de 40 peças que abrangem comédias românticas, dramas históricos e tragédias, entre elas, "Romeu e Julieta", "Otelo" e "Hamlet", com sua famosa frase: "Ser ou não ser, eis a questão".

William Shakespeare nasceu provavelmente em 23 de abril de 1564 (foi batizado em 26 de abril de 1564 e o costume na época era batizar crianças três dias após o nascimento), na pequena cidade inglesa de Stratford-upon-Avon. Nesta região começa seus estudos e já demonstra grande interesse pela literatura e pela escrita.

Com 18 anos de idade casou-se com Anne Hathaway e, com ela, teve três filhos. No ano de 1591 foi morar na cidade de Londres, abandonando sua família. Começa escrever sua primeira peça, Comédia dos Erros, no ano de 1590 e termina quatro anos depois. Nesta época escreveu aproximadamente 150 sonetos.

Embora seus sonetos sejam até hoje considerados os mais lindos de todos os tempos, foi na dramaturgia que ganhou destaque. No ano de 1594, entrou para a Companhia de Teatro de Lord Chamberlain, que possuía um excelente teatro em Londres. Neste período, o contexto histórico favorecia o desenvolvimento cultural e artístico, pois a Inglaterra vivia os tempos de ouro sob o reinado da rainha Elizabeth I. 
O teatro deste período, conhecido como teatro elisabetano, foi de grande importância. Escreveu tragédias, dramas históricos e comédias que marcam até os dias de hoje o cenário teatral.

Os textos de Shakespeare fizeram e ainda fazem sucesso, pois tratam de temas próprios dos seres humanos, independente do tempo histórico. Amor, relacionamentos afetivos, sentimentos, questões sociais, temas políticos e outros assuntos, relacionados a condição humana, são constantes nas obras deste escritor.

Em 1610 retornou para Stratford, sua cidade natal, local onde escreveu sua última peça, A Tempestade, terminada somente em 1613. Em 23 de abril de 1616 faleceu o maior dramaturgo de todos os tempos.

Principais obras:

Comédias: O Mercador de Veneza, Sonho de uma noite de verão, A Comédia dos Erros, Os dois fidalgos de Verona, Muito barulho por coisa nenhuma, Noite de reis, Medida por medida, Conto do Inverno, Cimbelino, Megera Domada e A Tempestade.

Tragédias: Tito Andrônico, Romeu e Julieta, Julio César, Macbeth, Antônio e Cleópatra, Coriolano, Timon de Atenas, O Rei Lear, Otelo e Hamlet.
Dramas Históricos: Henrique IV, Ricardo III, Henrique V, Henrique VIII.

Seus textos literários são verdadeiras obras de arte e permaneceram vivas até os dias de hoje, onde são retratadas freqüentemente pelo teatro, televisão, cinema e literatura.

Biografia resumida e obras 

Nasceu em 23 de abril de 1564, na pequena cidade inglesa de Stratford-Avon. Nesta região começa seus estudos e já demonstra grande interesse pela literatura e pela escrita. Com 18 anos de idade casou-se com Anne Hathaway e, com ela, teve três filhos. No ano de 1591 foi morar na cidade de Londres, em busca de oportunidades na área cultural. Começa escrever sua primeira peça, Comédia dos Erros, no ano de 1590 e termina quatro anos depois. Nesta época escreveu aproximadamente 150 sonetos.

Embora seus sonetos sejam até hoje considerados os mais lindos de todos os tempos, foi na dramaturgia que ganhou destaque. No ano de 1594, entrou para a Companhia de Teatro de Lord Chamberlain, que possuía um excelente teatro em Londres. Neste período, o contexto histórico favorecia o desenvolvimento cultural e artístico, pois a Inglaterra vivia os tempos de ouro sob o reinado da rainha Elisabeth I. O teatro deste período, conhecido como teatro elisabetano, foi de grande importância. Escreveu tragédias, dramas históricos e comédias que marcam até os dias de hoje o cenário teatral.

Os textos de Shakespeare fizeram e ainda fazem sucesso, pois tratam de temas próprios dos seres humanos, independente do tempo histórico. Amor, relacionamentos afetivos, sentimentos, questões sociais, temas políticos e outros assuntos, relacionados a condição humana, são constantes nas obras deste escritor.

No ano de 1610, retornou para Stratford, sua cidade natal, local onde escreveu sua última peça, A Tempestade, terminada somente em 1613.  Em 23 de abril de 1616 faleceu o maior dramaturgo de todos os tempos, de causa ainda não identificada  pelos historiadores.

Principais obras :

- Comédias: O Mercador de Veneza, Sonho de uma noite de verão, A Comédia dos Erros, Os dois fidalgos de Verona, Muito barulho por coisa nenhuma, Noite de reis, Medida por medida, Conto do Inverno, Cimbelino, Megera Domada e A Tempestade.

- Tragédias: Tito Andrônico, Romeu e Julieta, Julio César, Macbeth, Antônio e Cleópatra, Coriolano, Timon de Atenas, O Rei Lear, Otelo e Hamlet.

- Dramas Históricos: Henrique IV, Ricardo III, Henrique V, Henrique VIII.

Frases de Shakespeare:

- "Dê a todos seus ouvidos, mas a poucos a sua voz."
- "Antes ter um epitáfio ruim do que a maledicência durante toda a vida."
- "Ser, ou não ser, eis a questão."
- "Sem ser provada, a paciência dura".
- "As mais lindas jóias, sem defeito, com o uso o encanto perdem".
- "Pobre é o amor que pode ser contado".
- "Nada me faz tão feliz quanto possuir um coração que não se esquece de seus amigos".



quarta-feira, 29 de junho de 2016

instrumento roubado


Não Seja Mais Um Inimigo da Música

Toda semana vejo nas timelines das minhas redes sociais o pedido de socorro de músicos que enfrentam agora um novo inimigo da nossa já difícil realidade: a onda de roubos. Ontem, mais uma me indignou e me levou a escrever esta mensagem.

Recentemente, esse novo inimigo se levantou contra os músicos profissionais. A percepção de que os preços dos equipamentos se tornaram exorbitantes fez com que os olhares mal intencionados se virassem contra esses itens que, obviamente, são essenciais à nossa sobrevivência. 


Mas, o ponto de vista que me preocupa quando me ponho a raciocinar sobre esse assunto, é a lógica de que, se o equipamento está sendo roubado, é porque está tendo receptação. E dói, no coração e na vergonha, imaginar que outros músicos possam estar sendo coniventes com essa prática. Todo músico vê seu instrumento como muito mais que um objeto ou uma ferramenta. Todo músico sério sente carinho por seu equipamento, principalmente porque, ao vê-lo, se lembra de quanto suor e esforço empenhou em sua aquisição e no sonho de alcançar aquela sonoridade ou variedade de recursos. A intimidade com seu equipamento afeta a produtividade do músico, e a reaquisição se torna extremamente complicada, uma vez que sua ferramenta de trabalho foi retirada e sua renda estará seriamente comprometida caso não haja algum equipamento alternativo à disposição. 


Se você encontrou um instrumento dos sonhos, por preço acessível demais; se alguém está oferecendo peças avulsas demais, e por preço digno de dúvida; se a pessoa se recusa a oficializar o negócio por qualquer meio que ofereça comprovante da transação, ou qualquer outra atividade digna de desconfiança, abra os olhos e, mais que tudo, NÃO CONCLUA A COMPRA. 
 
Não alimente o mercado de instrumentos roubados. Se nós transformarmos essa prática numa atividade não lucrativa, reduziremos os riscos de sermos a próxima vítima. Ladrões não são leais a ninguém. Você pode, com certeza ser o próximo.

sábado, 25 de junho de 2016

Led Zep 3


RESENHA de MARCIO ABBES

Engraçado saber que o Led III começou a ser gravado no início de 70.

Led Zeppelin é quase uma banda sessentista.

O disco é um dos objetos mais lindos fabricados no rock. Parece um exagero da minha parte, mas a capa é uma verdadeira obra de arte. Aliás, bem difícil escolher a melhor capa do Led Zeppelin.

Estou escutando o maravilhoso disco neste exato momento. Tenho o CD remasterizado.  Caso entrasse na onda do vinil, acho que seria o primeiro vinil a ser adquirido.
Bem, a bolachinha começa com a furiosa "Immigrant Song", que traz o ritmo incrivelmente sincronizado de batida e a voz cheia de lamentos do Plant. 
A pérola já começa com a força de abrir até a porta do Vaticano.

Em parte disco vem mostrar que está mais voltado para o folk em "Friends", que traz a música acústica numa multiplicidade de sons com o teclado viajante do John Paul Jones.

O que entra logo em seguida é a balançante "Celebration Day". 
Nada mais vibrante do que as notas esticadas do Page e a voz de Plant.

A próxima música é o blues mais bonito já realizado por uma banda na face da Terra. Com apenas 5 notas, começa a maior explosão vocal realizada por um branco no blues. Plant nos leva para a mesma viagem que Janis levou a plateia do Woodstock. Page faz um estupendo solo numa harmonia maravilhosa com a cozinha da banda. 

"Out on the Tiles" vem com uma urgência e num ritmo cortante e preciso. "Gallows Pole", que começa o lado dois do vinil, vem mostrar que o disco é um trabalho quase totalmente acústico, mas sem perder o maravilhoso peso da banda. 
O que aparece em seguida é uma das músicas mais lindas da banda, "Tangerine", que tem o ar de Stones e com uma linda melodia com a voz quase em súplica de Plant e o belíssimo solo de Page. 

Não pára por aí, toda a genialidade da banda vem ser sacramentada em "That's the Way", mais uma música acústica toda pontuada por belas notas de violão e a voz sublime de Plant. 

O disco se despede com "Bron-Y-Aur Stomp" e "Hats Off to (Roy) Harper", que demonstram o que é realizar música acústica para uma vibração sensorial viajante e prazerosa. 

Led Zeppelin é a melhor banda de rock pesado de todos os tempos! Disco obrigatório!














quarta-feira, 22 de junho de 2016

é hawkwind ....


Hawkwind a banda Ritual do Espaço SideraL - gosto muito daquele Synth que fica FLUTUANDO no fundo fazendo som de vento cósmico - uma das primeiras bandas de Lemmy naquele contrabaixo Rickenbaker tocado com palheta fazendo tríades e acordes como se fosse uma guitarra grave, ahahahaha ele nunca foi um baixista di verdade, mas aquela "pegada" deu uma onda LOKA ao já alucinado estilo do Hawkwind. 

É claro depois de Lemmy veio uma outra fase mais CULT do Hawkwind inclusive com uma passagem meteórica de Ginger Baker que nem sei como topou tocar numa banda de estilo totalmente diferente do que ele fazia com o Cream, ahahahaha -------------------------
ok mas GIG é GIG e vamus nessa! 
O grande referencial do Hawk foram aqueles shows com Stacia Blake nua no palco fazendo aqueles RITUAIS espaço-cósmico com uma mistura medieval, vicking e cultos CELTAS.
Um mix muito doido com Letras LOKAS e álbuns conceituais!
O Rockeiro mediano acostumado com Beatles ou Stones recebe um impacto sonoro logo de saída, então pra se acostumar eu sugiro começar ouvindo "Hurry on the Sundown" porque depois é só doideira! psicodelismo psico-cósmico estratosférico ahahahaha ---- https://www.youtube.com/watch?v=HCi4gUX4oJo





































sexta-feira, 17 de junho de 2016

O SIMBOLO de JIMMY PAGE


Azazel ou ZoSo (em hebraico: עזאזל) é o nome atribuído a um anjo, que seria encarregado da tarefa de levantar as faltas humanas e as enumerar perante o Tribunal Divino, durante o julgamento anual da humanidade.

É, por outro lado, uma figura misteriosa, que aparece por três vezes na Bíblia Hebraica, relacionado expressamente com o ritual do Yom Kipur, quando, na época do Templo de Jerusalém, um bode era sacrificado para o Criador e outro era ofertado a Azazel, sendo este último animal encaminhado ao deserto, pois a transliteração da palavra original é "az'el " e em hebraico "el" é Deus.

Azazel também é comumente conhecido como o responsável pelo pecado da ira entre os Sete Príncipes do Inferno (que correspondem os sete pecados). 
E a trazer os ANJOS para copular com as MULHERES HUMANAS!!!







ian Paice Hospitalizado


Paice acordou na terça-feira de manhã com dormência no lado direito de seu corpo. Depois de ser levado para o hospital em Estocolmo, Suécia, determinou-se que ele tinha sofrido um ataque isquêmico transitório, também referido como um mini-acidente vascular cerebral.

Meu baterista predileto! pela primeira vêz desde 1968, baterista original co-Fundador do Deep Purple cancela shows!


Após cancelar dois shows na Europa sem explicações no início da semana, o baterista do Deep Purple Ian Paice postou no Facebook oficial da banda a seguinte declaração:
“A todos que esperavam ver o Deep Purple na Suécia e Dinamarca esta semana eu gostaria que vocês soubessem o motivo pelo qual os shows não foram possíveis e acabar com as especulações e rumores.
Na manhã do dia 14 de Junho eu acordei sem sentir o lado direito do meu corpo e eu não conseguia controlar minha mão direita ou meus dedos.
Então eu fui ao hospital onde fui diagnosticado como tendo sofrido um pequeno acidente vascular encefálico, ou isquemia cerebral. A equipe do hospital em Estocolmo foi incrível e eu comecei o meu tratamento na hora. Depois da tomografia e da ressonância magnética, descobriram que não houve danos sérios ou permanentes. Neste momento eu estou apenas sentindo a minha face um pouco dormente e minha mão está formigando. Minha habilidade com a mão está retornando rapidamente e eu espero completamente estar de volta na turnê este mês.
E agora eu tenho um conjunto de remédios para tomar todos os dias para me assegurar que isso não acontecerá novamente!
Me deculpem por não poder tocar para vocês. E eu sinto muito por mim mesmo! Estes foram os primeiros shows que eu perdi do Deep Purple desde sua formação em 1968.
Obrigado a todos que se mostraram preocupados e enviaram suas bons votos.

-Ian Paice.








sábado, 11 de junho de 2016

Ele não toca mais ....


A Doença de Eric Clapton ...

O dia de hoje (11-06-2016) foi de tristeza e perplexidade! 

Eric Clapton, está com uma doença irreversível no sistema nervoso chamada "neuropatia periférica" e ele que luta para continuar tocando sua guitarra.

Segundo palavras do próprio Clapton: “é uma condição que afeta os nervos periféricos responsáveis por encaminhar informações do cérebro e da medula espinhal para o restante do corpo. A neuropatia periférica pode causar danos permanentes aos nervos, sendo muitas vezes um problema incapacitante e até mesmo fatal”. 

O momento é de perplexidade, fé e orações. Que Deus o Proteja !

OBS: Keith Emerson recentemente se suicidou pela incapacidade de tocar.

Phill Collins saiu do cenário internacional depois de uma carreira solo impecável devido à problemas de coluna, surdêz, e dos nervos das mãos! 

Clapton seria mais um???















RESENHA ================

O músico inglês Eric Clapton, de 71 anos, revelou em recente entrevista à revista "Classic Rock Magazine" que sofre de neuropatia periférica, doença que afeta o sistema nervoso, os movimentos de pés e mãos e provoca dificuldade para tocar tocar guitarra. A publicação divulgou em seu site trechos da conversa na qual Clapton também falou sobre seu disco mais recente, "I still do".
Sobre tocar seu instrumento, o guitarrista, considerado um dos maiores de todos os tempos, comentou: "Quer dizer, é um trabalho difícil às vezes, o lado físico disso – ficar velho, cara, é duro. [É] difícil tocar guitarra e tive de entrar em acordo com o fato de que não vou melhorar".
Clapton detalhou como ficou sabendo que tinha neuropatia periférica, doença que afeta especialmente extremidades, como mãos, pés e braços.
"Tive muita dor ao longo do último ano. Começou com uma pequena na parte inferior das costas, e depois evoluiu para o que chamam de neuropatia periférica, que é quando você sente como se estivesse levando choques descendo para a perna", afirmou.
"E tive de descobrir como lidar com isso e outras coisas que vêm com o envelhecimento."
Clapton também comparou sua situação atual a seus problemas com drogas do passado: "Eu não sei como sobrevivi – aos anos 1970, especialmente. Como estou recuperado do alcoolismo e do vício, acho uma coisa incrível estar vivo, afinal. Pela lógica, eu deveria ter batido as botas muito temo atrás. Por alguma razão, fui tirado nas garras do inferno e recebi uma nova chance".
Entre as causas possíveis da neuropatia periférica, está o consumo excessivo de álcool.

terça-feira, 31 de maio de 2016

Funk, Favela ....


FUNK ...... a cultura do estupro ......
TXT de Gustavo P. Cysneiros

As coisas escritas nos posts da internet (redes Sociais), as letras dessas “músicas” FUNK (se é que isso pode ser chamado de música) mostram uma cultura absolutamente aterrorizadora da visão da mulher na favela. Estes posts sobre ESTRUPRO (maio 2016) mostram a distância entre o “asfalto” e a favela. Mostram que a cultura da favela vai muito mais fundo nas entranhas infernais da degradação do ser humano do que a cultura do estupro. 
Na cultura dessa gente, mulher que presta é mulher que dá prá 30 sem reclamar e gosta disso. 
As crianças crescem ouvindo isso e vivenciando isso. Na mente desse povo a errada foi a menina (na visão deles mulher) que segundo eles mesmos quis “dar” para trinta mas não aguentou “a pressão”.

Lendo esses textos escabrosos, a impressão que fica é que a favela é um mundo à parte, que se julga ou à margem da Lei ou acima dela. Um caos talvez criado pela ausência do Estado, ou de algo maior, pela ausência de ordem, padrões de boa educação, altruísmo, etc ....

A desordem está na origem da favela e a favela se retroalimenta da desordem. Desordem que cria e faz crescer desordenado.

O pior que a favela pode causar a alguém é fazer com que alguém não queira sair dela e nisso ela é bem sucedida na maioria dos casos.

Você pode até tirar algumas pessoas da favela, mas talvez não consiga tirar a favela de dentro de algumas delas.

Mais do que um local, a favela é um estado de espírito em que as pessoas aceitam como normal se comportar como animais irracionais, como os animais reprodutores que tem que ser porque o instinto mais básico que existe é o de perpetuação da espécie, portanto o sexo tem que ser escrachado, exagerado, o sexismo cultuado à exaustão, porque a vitória da favela sobre a cidade depende da reprodução, depende da capacidade de se fazer sexo, para reproduzir ou só para se mostrar que é capaz de reproduzir, entendendo que a reprodução é uma vitória. Botar mais e mais milicianos na cidade. 
Favela é um estado de espírito em que as pessoas tem uma aceitação serena de que não tem poder sobre suas vidas, sobre dizer sim ou dizer não, sobre perseguir um objetivo e tentar ser diferente. 
Um local que te obriga a ser igual, igual nessa tragédia cultural cotidiana, igual na pobreza e na riqueza do tráfico. 
E ensina desde cedo porque as criancinhas aprendem as primeiras lições de sexo antes mesmo de conseguirem segurar um lápis. 
Criança aprende observando e o que as crianças observam na favela leva ao sexo, somando isso à desordem que retroalimenta a própria desordem, o resultado é imprevisível, mas na maioria dos casos catastrófico. inumanos!

Deus é ordem no caos.